segunda-feira, julho 27

Hellboy

Hellboy. Um nome que sozinho já assusta. Juntamos ao nome um gajo de 2 metros, vermelho vivo, com uma mão feita de pedra, cauda, com um par de cornos serrados e uma pistola maior que a cabeça de muita gente, e temos algo realmente avassalador. Adicionemos-lhe um "sereio", um humanóide com membranas interdigitais, azul, olhos de alien, guelras, um estranho gosto por ovos podres e uma capacidade psíquica, mais uma "mulher-tocha-humana-que-não-consegue-controlar-o-fogo", e temos divertimento garantido.

Ora, calhou que eu um dia destes, descobrisse um pack de colecção, com os dois filmes, pelo preço de 1. Hesitações para quê? Saltou para dentro do carrinho de compras antes que conseguissem dizer hipopotomonstrosesquipedaliofobia. Cheguei a casa e vi o primeiro, que já tinha visto na televisão. E hoje vi o segundo, que me faltava.

E ahhh, que foram boas estas visualizações. Hellboy tem aquele aspecto de demónio mal amanhado, mas é um coração mole, embora algo mal-criado e convencido. Parece que não combina, mas é por causa disso mesmo que se torna hilariante!

O primeiro filme é bom, começa por contar a história de como é que esta estranha criatura cor de Benfica veio cá parar, e da sua luta, (já adulto), contra um russo maluco que não morre, uma russa maluca que não morre, e um estranho morto ambulante que não morre. Tudo isto para tentar evitar que um grande Deus esquecido desça sobre a Terra e mate o pessoal todo.

O segundo filme, é igualmente bom. Começa com mais uma visualização da infância de Hellboy, e devo dizer, antes demais, que ver aquele grande monstro mauzão, do tamanho de uma criança de 8 anos, com os cornos mal cortados, dentes tortos, magricela, e agarrado a um peluche, é absolutamente espectacular. Mas bem, depois jutam-se à história seres que permaneceram escondidos durante anos, e cuja principal caracterísica é a pele mais branca que um suíço nascido e criado num subterrâneo. Mais uma data de criaturas estranhas, como o Anjo da Morte, que é apenas creepy as hell, e uns trolls e ogres aqui e ali. Muita porrada por causa dum exércio de Armaduras Douradas, virtualmente indestrutível.

Agora umas dúvidas. No primeiro filme, o russo maluco diz que sempre que morre, um bocado mais do seu Deus, regressa com ele. Ora nesse caso, porque não suicidar-se várias vezes seguidas, até se tornar um Deus? E no segundo filme, dizem várias vezes que há "70 vezes 70 soldados dourados". Será assim tão complicado dizer 1400 soldados dourados?

Enfim, mistérios que os filmes gostam de criar... Mas não é por isso que eu deixo de os ver, por isso quero lá saber!

1 comentário:

Aline A Batistuti disse...

Acho Hellboy um gato, tive até sonhos com ele, pensa em uma wird girl!