segunda-feira, outubro 25

Tão novinho, e tão silencioso...


Isto é que é um blog animado, hein?

quinta-feira, outubro 14

Dois anos!


Já lá vão dois anos, desde o dia em que o mundo ganhou vértices.

WOOOOHOOOOOO!!

terça-feira, outubro 12

domingo, outubro 10

Hoje é 10/10/10


Sim, e então?

sábado, outubro 9

VIVE LA RÉSISTANCE!


É com prazer que anuncio, alto e bom som, o meu desagrado para com o Novo Acordo Ortográfico, e que me declaro abertamente ANTI-Novo-Acordo-Ortográfico.
Esta imagem vai passar a ter lugar de destaque na barra lateral do blog, bem como nos meus outros blogs activos.
Quanto aos outros bloggers que por aí andem, estejam à vontade para usar esta imagem, se assim o quiserem, nos vossos próprios blogs. Até vos envio a imagem, se pedirem.
Achei que estava na altura, depois de tantos e tantos blogs e outros meios de comunicação começarem a usar o Novo Acordo, de criar um movimento antagonista. Espero conseguir, e ver esta pequena imagem, ou algo equivalente/parecido em vários blogs.
LUTEM!

sexta-feira, outubro 8

Eu não sou propriamente religioso...


Mas juro que hoje senti-me tentado a acreditar que quando virasse a esquina, ia ver a Arca de Noé.

terça-feira, outubro 5

O dicionário é que sabe...

república (rè)
(latim respublica, domínio do Estado, a coisa pública, governo, administração pública)
s.f.

1. Coisa pública; governo do interesse de todos (independentemente da forma de governo).

2. Forma de governo em que o povo exerce a soberania, por intermédio de delegados eleitos por ele e por um certo tempo.

3. Estado que adoptou essa forma de governo.

4. Comunidade de estudantes.

5. Infrm. Casa ou agremiação em que não há ordem nem disciplina.

6. Fig. Associação de animais que vivem em comum.


domingo, outubro 3

Chuva, a criminosa do costume


E pronto, chove. Eu agora tenho é mais que fazer, e pouco tempo livre para poder escrever aqui algo de jeito, mas fiquem já avisados que nos próximos meses me vou queixar a valer da chuva.

ODEIO chuva.

sábado, outubro 2

Bento, Sócrates, Pessoa


O que é que há de comum entre estes 3 indivíduos? À primeira vista, aposto que vão dizer "nada", mas asseguro-vos que têm MUITA coisa em comum!

Uma dessas coisas, é o facto de eu hoje ter ouvido falar dos 3. Bento, por ir ser o novo seleccionador nacional; Sócrates, por anunciar que vai apertar tanto o cinto que o povo português vai ficar separado em duas metades; e Pessoa, por ter sido um homenzinho tão deprimido, que os portugueses o adoptaram como génio da literatura.

Outra, é que muita gente os odeia. E por várias razões! Ora vejam: a Bento, porque era o treinador do Sporting, e como tal, os apoiantes das outras equipas só tinham era que não gostar dele. E agora, por terem medo que converta os jogadores da selecção a usar aquele penteado.

A Sócrates, por ser do PS, o que faz com que os apoiantes dos outros partidos só tenham é que não gostar dele (é mais ou menos a versão política do Paulo Bento). E sem me querer meter em questões demasiado políticas, por ser o Primeiro Ministro. Quem é que gosta dos seus governantes?

Agora, o Pessoa. Tenho, devo dizer, um ódio bastante pessoal a estes indivíduos. Sim, estes, já que Pessoa não era um, mas vários. 90 e não sei quantos semi-heterónimos, mais 3 heterónimos, mais o ortónimo, ou o raio que o parta. Não se preocupem em saber o que são os heterónimos, e muito menos o ortónimo. É aborrecido, é secante. Ele era um homenzinho bastante deprimido, falava sozinho, escrevia cartas para si mesmo, e fingia que era outras pessoas. Acredito piamente que se vivesse nos dias de hoje, haveria fortes probabilidades de ser encerrado no manicómio..

Mas bem, mais uma coisa em comum. Não são os olhos que são as janelas para as suas almas, mas sim os seus penteados. O Paulo Bento tem aquela... coisa hilariante, com um risquinho ao meio, que já foi gozada tantas vezes, que já deve haver um género de piadas chamado "cabelo do Paulo Bento", e que só mostra o betinho que ele é, e a tendência a ficar pelo meio. Nem risco à direita, nem à esquerda, nem primeiros lugares, nem últimos lugares...

O cabelo branco do Sócrates é a descrição perfeita dele mesmo. Está a ficar velho para isto, já deve estar cansado de dizer sempre as mesmas coisas, etc., etc., etc. Não gosto de falar dele, é uma seca autêntica.

Falta o Pessoa. Imagem típica dele? De chapéu. A esconder o penteado. É como a poesia, que é, no fundo, a definição deste homem. Figuras de estilo sem fim a esconder a realidade.

Já mencionei que ele era maluquinho da tola?

domingo, setembro 26

Crimes contra a Humanidade [9]

O Crime de hoje, o primeiro em vários e largos meses, é algo que eu odeio: a escrita direccionada. Dizerem que tenho que escrever o texto assim e assado.

Abomino, mesmo. De que é que serve, afinal? Se é para mostrar que acato bem ordens, prefiro ingressar no exército, sempre aprendia a manejar uma G3.

Se for para mostrar que sabemos escrever, prefiro fazer um ditado. Saber escrever toda a gente com a quarta classe sabe, melhor ou pior.

Agora, se for para os professores verem como a nossa capacidade de escrita... Acho que obrigarem-nos a escrever seja o que for não é muito boa ideia. Falo por mim, e pelos adolescentes rebeldes que por aí andam. Pensem lá. Eu agora digo "não leiam o resto do texto", e vocês, para chatear, vão lê-lo. Ou se calhar não, já que eu disse que o iam fazer. E agora estão confusos. Não interessa.

O que interessa é que por princípio, se me mandam fazer algo, eu fico logo sem vontade de fazer esse mesmo algo. E o mesmo se passa com muita jeito, aposto. É claro que há gente que gosta de ser um pau-mandado, coitados, mas eu não.

Ainda por cima para escrever... É o que me apetece, quando me apetece, e se me apetecer. Lá vou desenrascando qualquer coisa, já que não tenho outro remédio, mas contrariado.

Crime contra a Humanidade. Sem sombra de dúvida.

sábado, setembro 25

Tenho saudades dos Gato Fedorento



Farfalho, kunami, funini, katuki e marakaté.

domingo, setembro 19

Isto dos 17...


É uma idade bastante aborrecida. Sério. Esta coisa das idades tem muito que se lhe diga.

Começando pelo princípio, até se fazer um ano, somos fofinhos, característica acentuada pela forma de se dizer a nossa idade nessa altura: "ainda não tem um ano" ou "tem x meses". A reacção imediata, ainda antes de se ver a fronha da cria em questão, é "que fofinho!". E até há quem estenda isto até aos 2, ou mesmo 3 anos, mas dizer que um bebé tem 24 meses é simplesmente parvo. Imaginem combinar alguma coisa para daqui a 900 segundos. Ninguém faz isso. Dizem "para daqui a 15 minutos". Com 24 meses é a mesma coisa, diz-se 2 anos, custa muito?

Mas bem, finalmente faz-se 1 ano, e até se fazer os 2, é como um cargo. Os pais dizem que a criança "tem 1 ano", como os velhotes dizem que o seu filho "acabou de chegar a chefe da empresa". Parece que a criança andou 12 meses (perdão, 1 ano) a lutar e a trabalhar arduamente para fazer 1 ano. E isso dura um ano, pois quando se faz 2 anos perde-se essa magia. Ou não. A verdade é que até aos 6 anos, cada ano é como se a criança se tornasse um chefe cada vez mais chefe. Cresce o orgulho, cresce o puto, cresce a parvoíce.

E fazem-se os 6. A partir daqui, raramente se fala da idade. Especialmente nos 6 anos claro... A pergunta "Que idade tem?" é quase sempre respondida por um "Já vai para o primeiro ano!", como se isso fosse indicativo de que a criança tem 6 anos. Pode ter 5, como eu tinha. Sim, fiz 6 no dia a seguir a começarem as aulas, mas não interessa. Há quem entre com 5, há até quem entre com 7. É que isto depois perpetua-se até pelo menos ao quarto ano, que é quando começa a ser complicado contar. "Está no quarto ano!", e fica-se a pensar, "Ora, entra na escola com 6, tá no quarto... 10? Não, primeiro = 6, segundo = 7, terceiro = 8, quarto = 9, sim, é isso, 9 anos!".

A seguir a isto, vem a idade em que ninguém quer saber a nossa idade. A terrível e horrorosa idade do armário, que não é 1 ano, mas 6! Durante este longo interregno, antes que se pergunte a idade, já se ouviu dizer 3 ou 4 vezes que está na idade do armário. Aos 10 começam a aparecer os primeiros sinais, aos 15 já estão a desaparecer.

E aos 16, idade especial de corrida. Já se pode, oficialmente, trabalhar. Passamos a fazer parte da população que podia estar a fazer alguma coisa, mas está a perder tempo, seja em casa, a beber cerveja e a ver gravações de jogos antigos do Benfica vs Porto, seja na escola, a tentar ensinar ao colega do lado, repetente pela terceira vez, que "cota" é uma coordenada espacial, e não o nome dos pais dele.

Depois disto, os 17, em que... nada. Os 17 não passam da transição dos 16 para os 18. É aquela idade em que nos habituamos ao facto de que já podemos trabalhar, e nos preparamos para o facto que de vamos ter que trabalhar.

Uma pessoa normal acabaria este texto a dizer que está com medo, mas eu pergunto "com medo de quê?". A trabalhar já eu ando, há 12 anos, incansavelmente. A minha principal preocupação com a idade, é que já ultrapassei a idade em que o meu pai começou a ter cabelos brancos, e ainda só apanhei 1 ou 2 na minha cabeça. Se bem que tenho um na sobrancelha, e um no pulso. Isso sim, é assustador!

sábado, setembro 18

Ah e tal, já cá canta mais um.


Garfield, meu fiel companheiro do envelhecimento, tens que começar a arranjar mais velas...

Ah, e vejam, MELHOR. PRENDA. DE. SEMPRE: Arisu FTW

terça-feira, setembro 14

E *poof* já está


Começou. Quer dizer, começaram. As aulas, claro. Que outra coisa havia de ser, não é? Afinal sobre o que é que ainda ontem falei, aqui no blog, num post que deve ter debaixo deste? Hum, hum? Seus leitores desmiolados, esquecidos, era mesmo preciso eu estar a dizer o que é que começou? Não se lembram?


...


Onde é que eu ia? Não interessa. O que interessa é que a rotina voltou. E querem adivinhar qual foi a frase que mais ouvi hoje? Pois é, "nunca mais temos férias" é a campeã indiscutível.


Não acham isto incrível? É que eu acho, vocês não? A sério. Hoje é o PRIMEIRO dia de aulas. Há mais de 3 meses (3 meses!) que não tínhamos uma única aula. Começámos hoje, com aquelas aulinhas ranhosas, de apresentação (essa é outra, já lá vou), e já estão fartos?


Mas bem, não interessa, mudemos de assunto. As aulinhas ranhosas de apresentação, que eu referi ali atrás, são algo que... como é que eu hei-de explicar... é chegar e ouvir "Olá, o meu nome é *qualquer coisa* e vou ser o/a vosso/a professor/a de *qualquer coisa*.", decorar a cara do professor ou da professora em questão, para não nos baralharmos, e pronto, saímos.


Que engraçado. Será que o primeiro emprego também é assim? Hum... "Olá, eu sou o teu patrão, e vou-te pagar um ordenado ranhoso, que mal vai dar para almoçares. Se te portares bem, e me lamberes as botas com dedicação, pode ser que eu considere a remota hipótese de te promover ao posto acima, cujo ordenado já te vai garantir, no mínimo, uma folhinha de alface por refeição. Contente? Não me interessa. Vai mas é trabalhar."


Ok, talvez não.

segunda-feira, setembro 13

E a modos que re-começa tudo amanhã



Tudo, como em "escola" e "aulas", embora uma coisa implique a outra (no meu caso, pelo menos), e talvez devesse ter dito apenas uma delas. Não interessa. O que interessa é que amanhã é o primeiro dia de aulas deste 1º Período, o décimo segundo 1º Período da minha vida.

Pois é, já estou no final do secundário. Com sorte, para o ano que vem, por esta altura, estou a publicar qualquer coisa relacionada com a minha entrada (ou não) na universidade. Mas o que é que significa, afinal, estar no 12º ano?

Significa, logo para começar, que vou ter exames. Outra vez. E este ano devo fazer 3 ou 4, já que além do de Matemática e do de Português (obrigatórios), ainda devo precisar de fazer melhoria nos de 11º. Nota: a expressão "devo precisar de", neste contexto, deve-se ler como "quero".

Mas bem, para além disso, o que é muda do ano passado para este? Acho que, pelo menos em teoria, vou passar a fazer parte da elite da escola, os finalistas, os mais velhos, os maiores, essas coisas todas que costumamos ver nos filmes de adolescentes norte-americanos: uma escola inteira de "caloiros", e alguns de anos intermédios, e depois uma mão-cheia de finalistas, tudo gente grande e aterrorizante, que gosta de se meter com o pessoal dos anos abaixo.

Em teoria, claro. Ora vejamos, para começar, sou um indivíduo assim para o baixito. Depois, nunca chumbei (eu sei, eu sei, que vergonha, isto hoje em dia não se admite), o que quer dizer que na realidade, faço parte dos mais novos da escola. O três anos do básico são tão bons que há alunos que não querem sair de lá, e ficam lá bem depois dos 14, a entrar nos 16, e até a chegar aos 19 e aos 20, se for preciso. E isto no básico! Imaginem nos dois primeiros anos do secundário.

Como se vê, a única verdadeira regalia que tenho, é o facto de saber que sei fazer contas mais depressa que os rufias dos outros anos, que vivem à grande e à francesa, e fazem da escola o seu recreio, enquanto que eu me mato a estudar. Enfim, pode ser que alguém tome isto sob a sua alçada, e resolvam estes problemas.

sábado, setembro 11

Livemocha



O alemão é algo fixe.

Viva o livemocha.

sexta-feira, setembro 10

Leiam! Leiam!

Alguma vez sentiram que algo não estavam bem neste país? Então leiam:


Uma excelente dissertação sobre o estado actual do nosso país e da nossa sociedade, e que, ao contrário do que já é, infelizmente, habitual, apresenta soluções!

Nem digo mais nada, para não perderem tempo, leiam!

quarta-feira, setembro 8

A estupidez é uma doença grave.



E uma prova disso mesmo, é este indivíduos, e os seus "seguidores". O indivíduo chama-se Terry Jones, e é pastor de um grupo evangélico norte-americano. O cartaz atrás dele diz: "Dia Internacional da Queima do Corão".

E é a sério. Terry "Intolerante" Jones, pensa mesmo em levar esta iniciativa adiante. Eu pensava que já tinha visto, ouvido, e presenciado coisas bastante estúpidas, mas isto está elevado a um patamar completamente novo. E distante dos outros, bem lá em cima. Acho que mais estúpido que isto, só mesmo isto, mas em frente a uma mesquita.

Não há palavras para descrever isto. Eu não consigo arranjar palavras suficientes para criticar isto. Será que esta amostra de gente não consegue perceber as consequências disto? A estupidez disto? Se isto for mesmo para a frente, as imagens vão ser utilizadas para incendiar ainda mais o ódio entre religiões. E é óbvio que os fundamentalistas muçulmanos não se vão deixar insultar, sem responderem. E embora eu tenha lido, que os  (poucos) membros desta congregação americana andam de pistola à cinta, acredito que os fundamentalistas do outro lado tenham armas maiores e mentes mais loucas...

Se bem que... Quer dizer, quem é que é louco aqui? Os fundamentalistas muçulmanos, com os seus atentados e sequestros, ou os fundamentalistas cristãos, que provocam os causadores dos ditos atentados e sequestros?

Fica à vossa escolha. No entretanto, alguém que comece a estudar a estupidez, e a comece a tratar como doença, por favor.

terça-feira, setembro 7

Best. Video. Ever.



Se o vídeo vos pedir para fazer alguma coisa... façam!

segunda-feira, setembro 6

Esqueci-me de anunciar este!




Este já o criei há algum tempo, com este gajo, só que esqueci-me de o anunciar como deve ser, por isso aqui fica o Rock In Peace!


domingo, setembro 5

Ser alto... é um pesadelo!



Eu cá, não sou alto, nem nada que se pareça. O meu BI acusa uns 1,64 metros, e devo ter, na realidade, 1,65 ou 1,66. Não interessa. A verdade é que durante muitos anos fui o mais alto da minha turma... Digamos que cresci bastante mais depressa que o resto do pessoal da minha idade. E, claro, parei bem mais depressa.

E houve uma altura em que ainda tive pena de ser baixo. Quando comecei a ver que aqueles que durante anos tinham que olhar para cima, de repente, olhavam bem para baixo, senti-me pequeno. Mas foi então que percebi que ser alto é uma coisa absolutamente horrível!

Primeiro que tudo, reparem em como são desengonçados. "Movimentos fluidos" não é uma expressão que esteja no dicionário deles. A sério, chega a ser ridículo, é como se estivessem a ser controlados por um anão de 30 cm, que não sabe o que há-de fazer com um corpo tão grande!

Depois, é preciso ver que as coisas são feitas a pensar nas pessoas de estatura média... O que no nosso país é à volta dos 1,60, 1,70, 1,70 e pouco... Ou seja, as pessoas grandes, já à volta dos 1,80 para cima não cabem em lado nenhum! Os dedos não entram em nada, os pés não cabem em nenhum tipo de calçado, batem com a cabeça em todo o lado... E para conseguirem manobrar no mundo feito para pessoas mais baixas que eles, têm que estar constantemente a fazer toda uma série de movimentos estranhos e desengonçados!

Além de que têm uns dedos assustadores. Não, a sério, até deve ser possível dar nós naquilo. É como ter 5 talheres desarticulados implantados em cada mão.

E alguma vez viram alguém com mais de 1,80 a entrar num carro? Parece aqueles números do circo, em que entram 30 palhaços dentro de um carro minúsculo!!

Enfim, acho que afinal, até fico feliz por ser um rapaz baixinho...

(P.S. - Ainda por cima as pessoas altas não costumam reparar nos pormenores... Não é Beky?)

sábado, setembro 4

Dúvida



Quem é que escreve as sinopses, nas contracapas dos livros?

quinta-feira, setembro 2

Eu sou maluco...


Não me canso disto... Cá vai um novo!

terça-feira, agosto 31

Estranha Trindade do Futebol



A cara do Ribéry. Os braços e as pernas do Crouch. A barba do Queiroz.

domingo, agosto 29

Enfim...

A águia negra do plantel benfiquista, com um valor de 170 milhões de pastilhas, foi a estrela do jogo de ontem, contra o Vitória de Setúbal. Sem razão. Bem, quer dizer, tocou na bola pelo menos 5 vezes, que eu tenha visto, sem que o Benfica sofresse um golo! Realmente é de louvar, mas bem vistas as coisas, não é nada de especial.

Afinal, defendeu um pénalti (que, entenda-se, só são defensáveis se forem mal marcados), fez um ou duas defesas fáceis, e pouco mais. E foi quase tão aplaudido como o Mantorras...

Claro que o jogo de ontem talvez possa significar que ele talvez possa valer os 170 milhões de pastilhas que o Benfica por ele. Mas são demasiados "talvez" para o meu gosto.

Teve sorte, e defendeu o pénalti. Tornou-se automaticamente o herói benfiquista, apesar dos 6 golos sofridos nos primeiros 3 jogos oficiais, que originaram 3 derrotas, incluindo a final da Supertaça, contra o Porto. A culpa também não é só dele, claro! O Cardozo tem andado a dormir, só acordou ontem, o David Luiz estava a meio-gás, o Javi parece que desapareceu, perdemos o Ramires, o Di Maria, e o Quim...

Mas enfim, que é que se pode fazer? O Roberto é apenas o bode expiatório (se bem que tem mesmo culpa nas derrotas), que tanto é culpado pelas desgraças, como o pior arranque do Benfica na Liga nos últimos 58 anos, como é elevado a herói, por um jogo em que teve sorte.

Eu continuo na minha, ou ele mostra mais, ou mandem-no embora!

sábado, agosto 28

Luta de Rua


Baseado num caso verídico!









E o gelado era boooom!

quinta-feira, agosto 26

ZZZZZZzzzzZZZZZzzzZzZZzZ

Jerónimo de Sousa anunciou há uns dias que o PCP ia ter candidato presiden-AHHHH-cial... E aqui há uns dias, anunciou quem, quem.... AHHHHH, era. O nome é FrAHHHHHncisco Lopes, e já disse que-ZZZZZZZzzzZzZzzzZZZZZZzZzzzz...

O meu regresso, e como comprar espaço vazio por muito dinheiro

E bem, estou de volta, e antes do prometido! Isto podia virar moda, prometer algo para uma certa e determinada altura, e cumpri-la antes dessa certa e determinada altura. Mais ou menos como fazem na política, só que ao contrário. E cumprindo mesmo as promessas. Ok, não tem nada a ver.

Ora vamos lá ver, será que há temas de conversa? Vou deixar ali o cara de mau lá mais para o fim, que agora quero falar de outras coisas. Como por exemplo... não me ocorre nada. Assim sendo:

Passo 1: Ver 30 vídeos no Youtube dos momentos altos, e nem procurar os 580 dos piores momentos.

Passo 2: Recusar um dos topo-de-gama nacionais, por metade do preço, e mandar embora o outro topo-de-gama.

Passo 3: Escolher um valor baixinho, à volta dos 170 milhões de pastilhas.

Passo 4: Depositar total confiança no gajo que nos custou as pastilhas da boca da nossa família inteira, para o resto da vida.

Passo 5: Observar calmamente o novo fornecimento de frangos do Intermarché.

Passo 6: Passo a exemplificar: FILHO DA P#$%, C&#$@£ DO C@€£§$%, VOLTA PRA M#§%& DO BURACO DE ONDE SAÍSTE, F&#$€§@!!!

E aí está, como comprar um (como vi escrito algures) "buraco de 1,93 metros".

terça-feira, agosto 10

Olá e até Setembro!


Aborrecem-me, aquelas pessoas que têm um blog, se ausentam do mesmo durante quase 1 mês, e voltam para fazerem um único post solitário e dizerem que se vão ausentar outra vez durante quase 1 mês!

Dito isto, este é um post solitário, em que vos digo que só voltarei a escrever por aqui em Setembro.

Ou seja, a ver se consigo dizer alguma coisa de jeito... Vá, pensem comigo, o que é que aconteceu de relevante? Hum? O Benfica perd... Não quero falar sobre isso. Não, a sério, deixem estar... Oh, pronto, eu falo. Mas que querem que diga? Que perdeu e que foi bem perdido? Isso já se sabe. Que foi mérito do Porto? Não obrigado. Que o Pinto da Costa é o maior? *silêncio indignado*

Sabem o que vos digo? Nada. Não vou comentar mais isso. Pensem noutra coisa. Como os incêndios! 30 deles cá por Portugal, 600 e tal na Rússia. Só ouvi falar destes. Nós por cá estamos habituados, já sabemos que no Verão ficamos todos a arder, dia sim dia não. Já nem nos esforçarmos com coisas inúteis, como o atirar beatas para o chão, fazer fogueiras nas matas e coisas desse género. Para quê? Vai arder na mesma.

Agora os russos... Ui, devem estar pior que estragados. Habituados aos seus 580 graus negativos, de repente apanham uma vaga de calor e tantos incêndios que Moscovo fica envolta num nevoeiro causado pelo fumo dos ditos incêndios... Devem pensar que estão no Inferno. Mas eu sei uma maneira de os ajudar.

Organizamos um espectáculo, num sítio qualquer onde aquelas alminhas caibam todas, a Lua, por exemplo, e convidamos a Rússia em peso para vir assistir. O espectáculo vai consistir na leitura integral do livro do José Castelo Branco, lido e comentado por ele mesmo, e representado pela Betty Grafstein! Vão ver a debandada deles para a Rússia outra vez, a chamarem pelas mãezinhas, e a ficarem felizes quando virem que lá só têm que aguentar os incêndios! Oh, o alívio!

E quanto ao caso do triplo homicídio, devo dizer que o tal "rei Ghob" tem um certo carisma, e uma forte primeira impressão. Até apetece pegar nele e atirá-lo de um vigésimo andar. Eu demorei 20 segundos a ter essa vontade, e foi só de ver a cara dele. Enfim, e ainda lhe fazem a vontade, fama, fama e mais fama. Deviam-lhe ter dado um julgamento obscuro, com direito a míseras notas de rodapé, se tanto, e acabarem a prendê-lo para o resto da vida dele, no mínimo!

Mas pronto... Não sei que mais dizer, acho que já chega. Ah, não, esperem, falta uma coisa: ainda não falei do João Moutinho. Se bem que... Deixem-me verificar. Não sou lagarto. Não sou tripeiro. Não ganho nada com a transferência dele, excepto, é claro, todo um novo e enorme manancial de piadas contra verdes e azuis. Bem, obrigado Moutinho! Do Sporting para o rival, o Porto, e a criar uma nova categoria de piadas, grande homem! Fico à espera que te mudes para o rival do Porto, o Sistema Judicial Português.

E bem... Até Setembro!

domingo, julho 11

Texto Aliterativo [2]



"Ele esteve, está e estará enjaulado. Eternamente. Era essencial existir e, embora essa existência escabrosa escapasse, ele, enrolado, evitava esse escape. Essa existência estava escrita, escrita em esmeralda. E ele espreitava, essas escapatórias. Ergueu-se e espalhou esperança. Esperou. E esperou. E esperou. Eternamente. Ele estava, está e estará enjaulado e esperançoso."

sábado, julho 10

Lipograma [1]


"Escrever sem este pequeno constituinte do português é difícil, se bem que só se quisermos escrever textos longos."

sexta-feira, julho 9

O Que São Lipogramas?


"Lipogramas são textos (ou frases), em que não se usa uma letra. Pessoalmente acho que fazer um lipograma sem usar o "z", é um bocado fácil demais, por isso brincarei apenas com as vogais.

O escritor francês George Perec, membro da OuLiPo, escreveu todo um livro em francês sem usar a letra "e": La disparition.

Esta imagem servirá de imagem para os lipogramas, e faltar-lhe-á, a letra que for suprimida no lipograma."

quinta-feira, julho 8

Texto Aliterativo [1]



"Ana acordou, assustada. A arma, assombrosa, à antiga, açoitava-lhe a alma, atordoava-lha. Acossada, alterou-se, aluou-se, alucinou. Alvoroçada, anunciou: "Antigamente ancorava-se a amizade, agora amigas atacam amigas!". Andreia, andando, ameaçou-a: "A arma? Abro a amónia? Ambas?". Andorinhas apareceram. Atracaram, apáticas, até atacarem Andreia, ariscamente. Aprovando, Ana acomodou-se, aparentando asco ante a amiga. Assistindo ao anoitecer, adormeceu."

quarta-feira, julho 7

O Que São Textos Aliterativos?



"Basicamente, são textos em que se repete a mesma letra (ou conjunto de letras), no início de todas as palavras do texto, formando uma espécie de padrão. Daí o fractal, como imagem dos textos aliterativos, pois o fractal não é nada mais do que uma repetição da mesma forma.

A aliteração é normalmente usada em poemas, e não é apenas a repetição de letras, mas sim de sons, como se pode ver nesta estrofe de Fernando Pessoa:


Em horas inda louras, lindas
Clorindas e Belindas, brandas
Brincam nos tempos das Berlindas
As vindas vendo das varandas.


Para um exemplo mais quotidiano, temos os trava-línguas, como este:

Padre Pedro prega pregos, prega pregos Padre Pedro.

Para facilitar a vida, na imagem do post (o fractal), virá a letra que se irá repetir, e depois, claro, é esperar que eu consiga escrever algo com um mínimo de sentido!"

terça-feira, julho 6

Palíndromo [1]


"Só partículas à Luci Trapos!"

segunda-feira, julho 5

O Que São Palíndromos?


"Palíndromos são palavras o frases que tanto podem ser lidos da esquerda para a direita, como da direita para a esquerda, mantendo o mesmo significado em ambas as formas.

Provavelmente o exemplo mais conhecido em português (ainda que do Brasil), é, provavelmente:

Socorram-me, subi no ônibus em Marrocos.

Com jeitinho, consegue-se ler das duas maneiras, tal e qual, mantendo o mesmo sentido. Neste tipo de construção literária, costumam-se ignorar os sinais ortográficos, como acentos e pontuação, e também os espaços entre as palavras.

Outros exemplos são também bem conhecidos, no entanto: Ana, ovo, osso, por exemplo, são palíndromos de uma só palavra.

O quadrado da imagem, é o Quadrado Sator. 5 palavras posicionadas em quadrado, de forma a que se possam ler da esquerda para a direita, da direita para a esquerda, de cima para baixo, ou de baixo para cima, com a palavra TENET, a formar, no meio, uma cruz. Esta engenhosa brincadeira literária remonta já há vários séculos, sendo provavelmente o mais antigo palíndromo conhecido, e será agora a imagem de todos os meus posts com palíndromos!"

domingo, julho 4

OuLiPo

"OuLiPo é a sigla para Ouvroir de Littérature Potentiel, que se traduz por qualquer coisa deste género: oficina de literatura em potencial. É o nome de um grupo, ou melhor, corrente literária, formada por escritores e matemáticos (bando de malucos/génios, como eu lhes chamo), cujo objectivo era a libertação de literatura, através de constrangimentos literários.

Surgiu em França, em 1960, e tem como principais autores Raymond Queneau, François Le Lionnais, Italo Calvino e Georges Perec, entre muitos outros.

Ora, e o que são exactamente estes constrangimentos literários? Bem, para dizer a verdade, provavelmente todos sabemos, só não pensamos nisso. Quando num teste de português me pedem um texto com mais de 200 palavras e menos de 300, isso é um constrangimento literário; quando se escrevem sonetos, que têm que ter, obrigatoriamente 14 versos, isso é um constrangimento literário. Percebem a ideia? São restrições. Claro que as propostas e usadas por este grupo são muito mais... engenhosas.

Como por exemplo, escrever sem usar uma letra (lipogramas). Georges Perec, por exemplo, escreveu um livro inteiro, La Disparition, sem usar a letra "e", a letra mais usada na língua francesa. Há mais, depois falarei disso, mas pronto, a ideia é esta."