terça-feira, março 10

Eu também sou um poeta!

É verdade, eu, o grande anti-poesia, também a sei fazer. E só para provar que não é preciso ser zarolho para ser um grande poeta, cá vai:

Olho para a direita
E vejo um sabonete
E logo ali à espreita
Estava um toalhete

Saltou do armário
Assim de repente
Era cor de canário
E duro como um dente

Atirou-se a mim
O raça do escorregadio
Fez um ganda chinfrim
Nunca mais ficava sem pio

Foi então que se pôs a milhas
O sabonete que não vi mais
Eu que só queria lavar as patinhas
Vou ter que as deixar sujas demais

E aqui está, um lindo de um poema sobre um sabonete fugitivo que me impediu de lavar as mãos!

P.S. - Miguel, este post é dedicado a ti! Adivinha lá porquê...

4 comentários:

LA disse...

Para quem não gosta de poesia
Até que não rima mal
Pode ser que um dia
Escreva para como o tal.

O tal, que sem dizer
Num momento decidiu
Levar a vida a escrever
Como ninguém previu!

miguel disse...

mt obg

Anónimo disse...

olhó bonito poema do sabonete !! xD

ass.: inês paulo

van der Woodsen disse...

ò.Ó